Buscar
  • The Bear Office

Inovação tecnológica na era da arquitetura comunicativa

Atualizado: Jan 31


Quando se fala em tecnologia para o contexto da arquitetura, temos diversidade de gerações no mercado, que podem ser classificados em dois tipos de perfil de profissional.

Baby Boomer e X vs Millenials e Z.


URSO PERGUNTA

#1 Porque faz diferença saber aonde o seu cliente se enquadra?

Conflito de Gerações


O mundo tem passado por transformações nunca antes vistas, com mudanças muito rápidas e complexas, formando um cenário onde a tecnologia já permeia por todos os setores e serviços, e atinge todos os tipos de consumidor.

Para entender como isso funciona e como prever os impactos desse avanço tecnológico sobre o mercado de trabalho da Arquitetura precisamos fazer uma análise completa que põe na conta o perfil dos profissionais do mercado.

As gerações são influenciadas pelo contexto político-econômico da sua região na época em que vivem, portanto, cabe dizer que os nascidos entre 1940 e 1980 foram os que incorporaram a palavra “trabalho” como nenhuma outra, prezam pela estabilidade financeira e costumam ser fiel a seus empregadores, além do que trata-se do grupo que ligou o motor do desenvolvimento. Dentro dos principais hábitos do padrão de consumo temos: foco no produto e não em uma causa, consumo por status, maior potencial para consumir produtos de luxo, além de serem líderes em consumo de produtos e serviços.

Enquanto isso, o segundo grupo, nascidos de 1980 e 2010, são as pessoas que tem uma ligação muito poderosa com a tecnologia, visto que vivenciaram a revolução da internet, estes valorizam o consumo com propósito e abandonaram a ideia de posse. Alto consumo de conteúdo digital e forte vínculo com o empreendedorismo também são características dessas gerações mais recentes.

O que se espera para a próxima geração, nascidos à partir de 2010, é a reconexão com videogames e uso da tecnologia como principal aliada do aprendizado. Uma das válidas preocupações é que essas pessoas, por terem um contato digital muito forte, seria o analfabetismo analógico - discussão para fututos episódios.

A experiência de cada cliente importa. O que e a forma que você apresentar para ele é o que ele vai dizer sobre você para os outros.

Resposta #1 De qualquer maneira, é necessário entender quem é seu público, quais são as coisas mais importantes para eles, e quais a maiores dores que eles sentem, pois assim você estará se conectando com eles, e certamente será mais assertivo com o seu processo de criação de soluções.


Novas Tecnologias?


Conceituamos rapidamente os termos para garantir que estamos todos na mesma página.

Realidade virtual

é aquela produzida em um espaço não existente fisicamente, inteiramente online que nao possui compromisso com o mundo real.

Realidade Aumentada

utiliza elementos e ambientes de verdade para incluir itens criados digitalmente.


IMPORTANTE: Sempre devemos buscar entender qual a maturidade de cada tecnologia no mercado e como cada tipo de cliente reage a ela. Ou seja, é um desafio cultural.


Essas técnicas já são realidade em muitos países, e por conta disso temos diversas referências de aplicações bem sucedidas.

Apesar disso, no Brasil ainda estamos à passos lentos, e isso nada mais é do que uma oportunidade aos mais antenados, de sair na frente oferecendo um tipo de serviço que proporciona uma experiência inédita ao seu cliente.


O intuito da RV e RA é iludir os sentidos humanos e transformar a percepção do cliente, de forma a contar a melhor história possível.

Existem técnicas de 2D e 3D que aprimoram a conexão entre o mundo que está dentro do computador e o mundo de fora. Ou seja, esses recursos ampliam a compreensão sobre o mundo real e incorporam elementos virtuais ao ambiente físico.

São mecanismos que agregam valor ao gerar alternativas para mesclar o ambiente físico e o virtual. Voltando ao cliente exigente, todos temos sonhos a realizar e expectativas reais em cima dos nossos próprios projetos. Cabe a nós entender quais são essas expectativas do cliente, quais são as dores dele e então trabalhar em soluções criativas e eficazes para atingir esse objetivo.

Utilizando RV e RA podemos projetar a realidade no meio digital e antecipar o resultado final para acelerar a avaliação de resultados e de simulações, buscando maior aceitação dos projetos, e no valor agregado ao serviço.


É possível criar espaços interativos com projetos em 3D, maquetes e até desenhar em três dimensões, mas a percepção da luminosidade e o dimensionamento dos cômodos são os recursos mais explorados nessa tecnologia.


A imersão proporcionada pelas imagens em Realidade Aumentada traz credibilidade e reduz as chances de dúvidas por parte dos clientes e de erros por parte dos parceiros da obra.

Outra vantagem produtiva: os projetos podem desenvolvidos por mais de uma pessoa simultaneamente.

Além de ser possível acompanhá-los durante a execução em ferramentas como AutoCAD, Revit, 3DS Max Platforms e SketchUp, o programa pode ser integrado diretamente a smartphones, tablets e aos aplicativos.


Conselho de Amigo:


Antes de aceitar um projeto, se faz necessário entender quem é o seu cliente, o que ele espera de você, e quais são as dores que ele sente ao realizar este determinado projeto.

Depois desta análise preliminar, cabe a você buscar ferramentas digitais para aumentar a eficiência e eficácia das suas soluções, ou seja, para entregar VALOR ao seu cliente de forma mais ágil, gastando menos recursos e gerando a melhor experiência possível.

Porém, não basta entender o que o cliente precisa e qual ferramenta você deve usar. É fundamental que você promova uma conexão entre o seu cliente e o projeto dele - conte a história dele, de forma que a relação dele com a tecnologia não seja um fator negativo no processo.


Estamos cheios de energia e focados em entregar VALOR a você, então caso tenha sugestões de tema ou queira fazer um comentário, por favor, sinta-se a vontade!

Confira mais conteúdo abaixo:

DOWNLOAD E-BOOK

#inovacao #tecnologia #inovacaotecnologica #plantashumanizadas #plantasbaixas3D #maquete3d #maqueteeletronica #realidadevirtual #arquiteturacomunicativa

17 visualizações0 comentário